Área Restrita

Concílio e Meio de Comunicação Social


 

O Concílio Vaticano II e os Meios de Comunicação Social


 

O Concílio Vaticano II trabalhou o tema dos Meios de Comunicação Social, tão pertinente à nossa realidade atual e, publicou o Decreto intitulado INTER MIRIFICA, que em português significa “entre as maravilhas”.



1. Aprofundando o assunto:

 

No capítulo I do decreto Inter Mirifica lemos:

“A Igreja católica, fundada por Nosso Senhor Jesus Cristo para levar a salvação a todos os homens, e por isso mesmo obrigada a evangelizar, considera seu dever pregar a mensagem de salvação, servindo-se dos meios de comunicação social, e ensina aos homens a usar retamente estes meios.

À Igreja, pois, compete o direito nativo de usar e de possuir toda a espécie destes meios, enquanto são necessários ou úteis à educação cristã e a toda a sua obra de salvação das almas; compete, porém, aos sagrados pastores o dever de instruir e de dirigir os fiéis de modo que estes, servindo-se dos ditos meios, alcancem a sua própria salvação e perfeição, assim como a de todo o gênero humano.

Além disso, compete principalmente aos leigos vivificar com espírito humano e cristão estes meios, a fim de que correspondam à grande esperança do gênero humano e aos desígnios divinos.” (IM cap. 1, 3)


A Igreja como mãe, quer educar seus filhos no caminho da fé e para tal, orienta sob o devido uso dos MCS. Podemos, pois, destacar alguns pontos úteis para que nós, enquanto cristãos, caminhemos na comunhão com toda a Igreja e façamos uso consciente destes meios:

  • Devemos utilizá-los como meios de formação e divulgação da reta opinião pública.

  • É aconselhável que os jovens no uso destes meios, se habituem à moderação e à disciplina.

  • Os pais são orientados para que sejam vigilantes sobre o uso dos filhos aos MCS, a fim de que estes não se percam devido ao mau uso destes instrumentos que, quando mal utilizados, ao invés de contribuírem com a salvação e edificação, conduzem à perdição.

  • Incentiva a promover a boa imprensa e a divulgar a imprensa católica.

  • Incentiva a promover a confecção e a exibição de bons filmes, bons programas de TV e rádio, de modo particular àqueles que se referem às famílias.

  • Incentiva a primar pela perfeição e eficácia, induzir à participação da vida da Igreja e às verdades religiosas.

  • Incentiva a aplicar esses meios para os fins do apostolado.




Para que fins a Igreja se utiliza dos MCS? Para “divulgar e defender a verdade e providenciar a instrução cristã da sociedade humana”.

A Igreja, portanto, participa ativamente do progresso da sociedade, procurando fazer bom uso de tudo àquilo que pode ajudar a realizar a sua missão de anunciar a todos a mensagem do Evangelho.



2. As Pastorinhas e o tema dos Meios de Comunicação.

 

Muito tempo antes da realização do Concílio Vaticano II, o bem-aventurado Tiago Alberione, Fundador da Família Paulina, intuiu a necessidade de utilizar destes meios oferecidos pelo progresso, para fazer chegar a todos a mensagem do Evangelho, podendo ser chamado, de fato, o profeta da comunicação.

Em sua época, final de 1800, inícios de 1900, estes meios estavam sendo utilizados para divulgar e propagar as ideologias vigentes que, contradiziam aos valores evangélicos. Diante da Eucaristia, ele sentiu o apelo de Cristo: “Vinde a mim todos!” Quis então reunir consigo uma multidão de pessoas que trabalhassem para combater a má imprensa com a boa. Reuniu então escritores, propagandistas, livreiros... para difundirem a boa mensagem que edificava a pessoa humana em todos as suas dimensões. Nasceu então a Família Paulina composta por cinco congregações, quatro institutos seculares e a associação dos cooperadores. Cada qual, ao seu modo, comunga com a missão de “Viver e dar ao mundo Cristo Mestre Pastor Caminho Verdade e Vida”, para isso, se utiliza dos diversos meios oferecidos pela técnica e pela ciência.

 

 

Como membros da Família Paulina, as irmãs Pastorinhas, no apostolado pastoral, em contato direto com as pessoas, sempre se utilizaram de diversos recursos para anunciar o Evangelho. Acompanhando o caminho da Igreja, principalmente após o Concílio, incorporaram cada vez mais o uso dos meios de comunicação para auxiliar o ensinamento catequético: filmes, cantos, vídeos, livros, audiovisuais e mais ultimamente outros recursos oferecidos pela internet. Com toda a Igreja, sabem que não se pode ser indiferente, no hoje da história, ao uso destes meios tão úteis para divulgar a mensagem do Evangelho, tornando assim o Cristo conhecido, amado e servido por todos.

Foram abundantes as dificuldades enfrentadas por esses apóstolos da comunicação, pois, muitos dentro do próprio meio eclesial, não viam com bons olhos a utilização dos MCS para a Evangelização. Mas, aos poucos, toda a Igreja foi percebendo que não dava pra ficar fora desta realidade que penetrava, cada vez mais, nos lares das famílias e todos os âmbitos da sociedade. Hoje, a Igreja se utiliza de todas as formas para divulgar a mensagem do Evangelho: Facebook, Sites, Rádio, TV, Twitter...consciente de que sua missão é fazer chegar a todos a mensagem do Evangelho, segundo o mandato do próprio Cristo: “Ide e fazei discípulos entre todas as nações” (MT 28, 19).

 

 

O texto base da CF deste ano de 2013 que tem por tema: Fraternidade e Juventude e por lema: Eis-me aqui, envia-me!, ressalta a importância da utilização destes meios para a evangelização, sobretudo da juventude. O documento diz: “O jovem respira e vive na chamada ambiência midiática, uma teia de novas tecnologias em que se pode ser, rapidamente, ouvido, visto, considerado“ (n. 37). E ainda: “Para a Igreja, a utilização das redes sociais aproxima os jovens da missão de evangelizar a todas as gentes”. É um “lançar as redes em águas mais profundas”. A Igreja tenta fazer da rede um lugar de comunhão, de encontro entre pessoas que buscam a mensagem de Deus com aquelas que ajudam a encontrá-la. (n. 60)

Segundo as palavras do Papa Bento XVI “há um continente digital” que precisa ser evangelizado, e os jovens podem ser os principais protagonistas desta evangelização. Hoje 50% da população jovem brasileira utilizam DIARIAMENTE a internet para trabalhar, estudar e se relacionar socialmente; acrescentando ainda os que a utilizam esporadicamente, esse número ultrapassa os 80% (n. 89).

Podemos agradecer a Deus por todas as conquistas realizadas nesta área, pois, tantas pessoas são alcançadas diariamente pela palavra de Cristo mediante os MCS. Muitos impossibilitados de sair de casa fazem suas orações, acompanham as missas, pela TV ou rádio, outros enquanto se dirigem ao seu trabalho, ou num momento de lazer, estão sintonizados com emissoras cristãs, curtindo sua programação, pois acham que elas ajudam a viver melhor o seu dia, elevando o seu coração a Deus. Outros ainda são alcançados pelos livros, jornais, internet, Cd’s, DVD’s que trazem a mensagem cristã das mais variadas formas e criatividade. Mas, ainda não podemos nos contentar com o que já foi alcançado, precisamos olhar sempre além, e lançar as redes para o que ainda nos falta. Muitas de nossas paróquias, dioceses, comunidades... ainda precisam lançar mão destes recursos para intensificar sua ação evangelizadora, e os novos apóstolos da comunicação precisam estar preparados para assumir essa realidade com qualidade e mais ousadia.



3. Refletindo o assunto:

 

 

  1. Você, como discípulo missionário, como utiliza esses meios? O que você divulga através deles?

  2. Em sua opinião, a sua comunidade tem utilizado criativa e conscientemente dos meios de comunicação na Evangelização?

  3. O que você e seu grupo, comunidade, paróquia, pastoral... poderiam fazer para promover mais a divulgação do Evangelho mediante os MCS?

  4. Elaborar um gesto concreto.

 


Irmã Jeane Bezerra Aguiar - Pastorinhas