Área Restrita

Ir. Bertila Picelli


 

IRMÃ BERTILA IVONTE PICELLI

 

 

Nascimento: 07/05/1941 em Mirassol/SP
Entrada da Congregação: Dezembro de 1955
1ª profissão religiosa: 02/02/1962


 

 
Em 07 de maio de 1941, nasceu a sétima filha do casal Umberto Pincelli e Luiza Bigaton Pincelli, no distrito de Rui Barbosa, pertencente a cidade de Mirassol, interior de São Paulo. Foi registrada e batizada com o nome de Luzia Ivonete, devido a uma promessa que sua mãe fez a Santa Luzia porque naquela época havia uma epidemia, e muitas pessoas, sobretudo crianças, tinham problemas de visão. Apesar da promessa, a menina nunca foi chamada de Luzia, mas sim de Ivone.
 

A exemplo dos pais e dos irmãos mais velhos, Ivone sempre frequentou a Igreja, fez 1ª Comunhão, participava de procissões, festas, encontros de formação, coroava Nossa Senhora...
Com apenas 14 anos foi convidada para ser Irmã Pastorinha, sendo que, num primeiro impulso resistiu. Depois tomou a iniciativa de procurar a Ir. Frederica Carli e imediatamente foi para São Paulo, era o ano de 1955.
 

Na Congregação chamavam-na de Luzia e a partir de então, sempre se sentiu cativada por Jesus. Aos poucos e de modo diverso, sentia que uma força a conduzia, mesmo diante das dificuldades pessoais, ou de momentos difíceis no contexto coletivo. A certeza de que Deus a queria religiosa pastorinha sempre foi forte e com esta confiança de que Nele tudo podia é que prosseguiu na caminhada.
 

Recebeu o hábito religioso em 20 de abril de 1958. Fez o noviciado em Caxias do Sul em 1961 e a 1ª profissão em 02/02/1962. Naquela época, havia mudança de nome por ocasião da profissão religiosa e a noviça Luzia escolheu o nome de Bertila porque naquele ano havia sido canonizada Irmã Bertila Boscardine cuja história a deixou apaixonada. Além do mais, ela quis fazer uma homenagem ao seu pai que se chamava Humberto e era chamado por Berto.
 

Após o Curso de Escola Normal feito com as irmãs Dominicanas na Vila Mariana , em São Paulo, Irmã Bertila foi ser diretora da Escola que as Irmãs tinham na cidade de Iepê/SP. Voltando a São Paulo cursou a Faculdade de Serviço Social e fez a escola de teologia para leigos. Em março de 1976, concluída a faculdade foi designada para a abertura de uma nova comunidade, em Assis, no interior de São Paulo, onde exerceu a função de Secretária executiva da Pastoral Diocesana durante sete anos. Neste período também fez um curso intensivo de teologia Pastoral em nível de América Latina, com duração de seis meses em regime de internato, o qual lhe abriu novos horizontes. 
 

Em 1983 foi enviada em missão para Redenção, no Pará, onde assumiu um trabalho ligado a CPT. Eram grandes os conflitos com posseiros e fazendeiros, sendo necessário, em muitos casos verdadeira coragem para defender o povo em suas terras e a vida de pessoas ameaçadas de morte. Em certa ocasião, foi muito significativo e profético o fato de ter assumido o lugar de uma refém, em um assalto, para que a mesma pudesse ser medicada, uma vez que tinha sido baleada.
No final de 1990, Ir. Bertila retornou a São Paulo para refazer as forças, ocasião em que se dedicou a um curso intensivo de bíblia, e se disponibilizou para fazer um trabalho de missões, por três meses, em Maceió/AL.
 
 
 

Por quatro anos Ir. Bertila dedicou-se ao ministério pastoral no Vale do Ribeira, precisamente da Cidade de Eldorado/ SP, sendo que em 1994 ela foi para Roma fazer o curso do Carisma. Eleita conselheira provincial, em 1997 foi transferida para Piracicaba-SP, localidade mais próxima da capital, depois do que passou a integrar a comunidade do Jardim, Em São Paulo. 
 

Em 2001, mais um grande sim marca a sua vida: foi convocada a uma nova experiência, desempenhando a função de Provincial por dois mandatos, até janeiro de 2009. Foi um período muito fecundo, seja pessoalmente, seja para a caminhada da Província.
 

A partir de então, Ir. Bertila compõe a comunidade do noviciado na Vila Califórnia, em São Paulo, contribuindo na formação das jovens, bem como na missão pastoral que esta comunidade realiza na Paróquia Nossa Senhora das Graças. Tem ainda a missão de acompanhar as junioristas, ajudando-as na continuidade do caminho formativo.
 
 

 
Irmã Bertila, todos juntos queremos entoar um grande hino de louvor a Jesus Bom Pastor, agradecendo pela sua vida doada sem medidas, nestes 50 anos de consagração religiosa. O seu testemunho alegre de perseverança, fidelidade e otimismo nos contagia e faz pensar: como é bom dizer um sim generoso ao Senhor!
 
 
 
 
Parabéns e que Ele continue tornando a sua vida ae missão cada vez mais fecundos...